Startup: É realmente a hora de empreender?

O ato de empreender no Brasil ainda é uma tarefa árdua e que demanda dos seus propulsores muita persistência, foco e determinação. É comum em um cenário tão incerto economicamente surgirem questionamentos quanto à viabilidade de investimento em um novo negócio. Especialistas já discutem transformações severas em diversos segmentos da indústria, o que não se sabe é quando e como serão, face ao ainda obscuro “novo normal” que advir. Para alguns “mochileiros da inovação”, torna-se o momento mais que ideal de se reinventar e reprogramar ações e metas. E há razões para sermos otimistas, e eu te explico por quê.

Um artigo publicado da FORBES em abril de 2020 sobre “Why The Coronavirus Pandemic Should Motivate You To Start A Company And Eight Excuses That No Longer Matter“, destaca que o período de pandemia é muito positivo para empreender. De acordo com relatório do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), patrocinado pela Babson College e pela Baruch College, mostra que 27 milhões de americanos em idade ativa, quase 14%, estão iniciando ou administrando novos negócios. O autor explica que a geração do milênio e a Geração Z estão aumentando o interesse pelo empreendedorismo, com 51% acreditando em boas oportunidades para iniciar empresas.

No Brasil, empresários tem redirecionado seus esforços na busca por soluções tecnológicas inovadoras para o combate ao COVID-19, como pode-se observar nos projetos aprovados no site oficial da EMBRAPII (agencia financiadora de projetos de inovação), como Biosanitizante líquidos para superfícies, Biomoléculas para ação antiviral, formulação de novas soluções alcoólicas, composição polimérica na fabricação de diafragma para ventiladores pulmonares mecânicos, plataforma de software de visão computacional e inteligência artificial para detenção de pessoas febris em aglomerações, dentre outras, ambos com aporte financeiro de empresas e agências de fomento. ² E a Construção Civil? Existem iniciativas frente ao COVID-19?
Sim, a Construtech “Brasil ao Cubo” em parceria com a Gerdau, utilizou os conceitos da tecnologia da construção modular off-site para montar em velocidade recorde duas unidades hospitalares em menos de 35 dias no sul e sudeste. Outra Construtech, a AMBAR utilizou da tecnologia de dados para o monitoramento contínuo da atividade no canteiro de obra e o impacto do coronavirus.

Mas afinal, você também tem uma ideia e gostaria de iniciar um novo negócio? Ou melhor, você sabe o que é uma STARTUP? Nosso colega Alan Cabussú é consultor e mentor de negócios – Acelera – SENAI CIMATEC e tem todas as respostas para esse tema.

Referências:

¹ Bernhard Schroeder. Why The Coronavirus Pandemic Should Motivate You To Start A Company And Eight Excuses That No Longer Matter, Forbes. Disponível em: Acesso em: 16.06.2020.

² EMBRAPII. Unidades EMBRAPII vão desenvolver dez novas tecnologias contra a COVID-19. Disponível em: . Acesso em: 16.06.2020.


 

Moisés Ferreira Eleutério Silva

Construção Civil - SENAI CIMATEC


Bacharel em Eng. Civil e Eng. Sanitarista e Ambiental, Mestre em Engenharia Civil, Pós Graduando em Gestão com ênfase em Liderança e Inovação, Professor do SENAI CIMATEC, atuando como consultor e pesquisador em projetos envolvendo novas Tecnologias Construtivas, Hidráulica & Saneamento e Gestão Sustentável das Edificações.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *