Workshop discute ética na engenharia

0
415

 

Em homenagem ao Dia do Engenheiro, a Associação Brasileira de Engenheiros Civis – Departamento da Bahia (Abenc-BA) promoveu, em parceria com a Escola Politécnica da Ufba, na tarde do dia 5 de dezembro, o workshop  “Ética e Tecnologia: Demandas contemporâneas do Engenheiro Civil”. A iniciativa centralizou os debates na importância da ética para o profissional da área tecnológica e sua responsabilidade diante das demandas sociais.

 

O encontro foi coordenado pela presidente da Abenc-BA, engenheira Rute Carvalhal Borges, e contou com as presenças da representante da Escola Politécnica, engenheira civil Mônica Guarda, a coordenadora do Curso de Engenharia Civil da Ufba, professora Elaine Alberte, do engenheiro, professor e conselheiro da Abenc, Luis Edmundo Prado Campos.

Após falar da importância da Abenc nos seus 30 anos de fundação, a presidente Rute Carvalhal convidou o primeiro palestrante da tarde, o engenheiro Enéas Cardoso, que defendeu o cumprimento da matriz curricular para uma boa formação profissional e pontuou a necessidade de estar sempre atualizado na carreira. “O estudante deve aproveitar todas as oportunidades de aperfeiçoamento. O importante é ter uma boa base de estudos e conhecer a administração da engenharia, tudo isso pautado na ética da profissão”, enfatizou.

 

O professor e psicólogo Carlos Linhares foi o segundo palestrante do evento. Abordou o tema “Ética na Engenharia: fator confiança no relacionamento”. Traçou um histórico do significado da palavra ética (do grego ethos, que significa “caráter”, “costume” ou “modo de ser”), e está no campo da palavra, da postura. Para o professor, todos nós somos referendados por valores e pela busca de sentido. “Hoje vimos o assédio moral invadindo as organizações, as empresas de engenharia. Por isso, precisamos desenvolver competências éticas e morais e resgatar o que os gregos e romanos nos ensinaram. É preciso lutar pelo respeito nas organizações e pela sua sustentabilidade”.

 

Por último o público ouviu atento a fala do engenheiro Paulo Henrique Amorim sobre os “Desafios da Engenharia Contemporânea”. Ao ponderar que o engenheiro é um ser humano a serviço do ser humano, Amorim traçou a evolução da engenharia e chamou a atenção dos presentes para a responsabilidade do engenheiro, na prestação de serviços a comunidade. Abordou a crise de confiança, de eficiência e de imagem sofrida pelo Brasil, em decorrência da crise política, e conclamou estudantes e professores para lutarem pela progressão geométrica da profissão. “Devemos agir de acordo com o compliance (em sintonia com as regras), ou seja, fazer o melhor da engenharia, realizando o nosso trabalho com perfeição e ética, o que servirá para as futuras gerações”.

No encontro, após debate e coquetel de encerramento, foram arrecadados mais de 20kg alimentos, doados a creche Geraldo e Helena Belfort e Projeto Thalita Kumi.

 

 

 

COMPARTILHAR